Archive for fevereiro \21\UTC 2017

A GRAÇA DO PERDÃO

21 de fevereiro de 2017

domingo-do-filho-prodigo-pai-misericordioso

Se dissermos que não temos pecado,
enganamo-nos a nós mesmos,
e não há verdade em nós (1Jo 1,8).

O sacramento da Reconciliação 

A Quaresma é um tempo oportuno para que todo cristão-católico volte-se para sua condição existencial-espiritual, oportunizando a si mesmo uma reencontro com uma vivencia viva da fé.

Jesus concedeu à Igreja a graça do Sacramento da reconciliação – penitência, ao mostrar-se aos discípulos no dia da Páscoa, exorta-os: recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados; e àqueles a quem os retiverdes ser-lhes-ão retidos. (Jo 20,22-23).

O pecado é a raiz de todos os males deste mundo, mas Jesus o “matou” com sua morte. O apóstolo Paulo ensina que “o salário do pecado é a morte” (Rm 6,23), assim toda dor, sofrimento, exploração, divisão, tem no pecado sua causa primeira. É por isso que Jesus encarnou-se “para tirar o pecado do mundo”. Jesus conquistou o perdão para toda a humanidade com o seu sacrifício na cruz e, então, incumbiu a Igreja para distribuir este perdão a quem se arrepender de coração e tiver fé, como dizia São João Maria Vianey: “Depois de cada pecado reconhecido, ressuscitemos! Pecados, nem um instante os deixemos no coração” 

O Sacramento na voz dos Santos 

Santo Agostinho (354-430) bispo e doutor da Igreja:

“Se na Igreja não existisse a remissão dos pecados, não existiria nenhuma esperança, nenhuma perspectiva de uma vida eterna e de libertação eterna. Rendamos graças a Deus que deu à sua Igreja um tal dom”.

 São Leão Magno (400-461) Papa e doutor da Igreja:

“Deus em sua infinita misericórdia, preparou dois remédios para os pecados dos homens: o Batismo e a Penitência (confissão). Pelo Batismo nascemos para a vida da Graça; pela penitência recuperamo-los e tivermos a infelicidade de perdê-la. Todo cristão, portanto, devemos examinar a sua consciência, não adiando dia-a-dia a sua conversão. Ninguém espere satisfazer a justiça de Deus na hora da morte. É um perigo para os fracos e ignorantes adiar a sua conversão para os últimos dias de sua vida”.

São Padre Pio (1887-1968) um dos santos mais populares da Itália: 

“Não temas! Mesmo que tenhas cometido todos os pecados deste mundo, Jesus repetir-te-ia as palavras: os teus muitos pecados estão perdoados, porque muito amaste”

A graça de poder se confessar 

Papa Francisco, no livro “O nome de Deus é misericórdia” diz que é necessário pedir ao Espírito Santo o dom de “se envergonhar” dos pecados cometidos. É necessária uma santa humilhação. Entregar-se inteiramente, com o coração rasgado, a Deus. 

  • Desejar a confissão individual é se por a caminho para uma cura e libertação interior, que religa a pessoa à sua verdadeira condição: de ser amado sem limites por Deus.  
  • Confessar-se com um sacerdote é, através do sacramento da reconciliação, estar face a face com o Senhor, pois naquele momento, o padre (também pecador) em nome de Jesus Cristo acolhe, entende e perdoa pela graça do Espírito Santo.
  • Quando se vai confessar é a oportunidade que se dá de ser acolhido, amado e perdoado. É  um reencontro com a verdade, uma experiência de amor e um esperançar o futuro.
  • Na confissão tudo é realizado com amor incondicional, pois é o próprio Deus que ali está presente no sacramento, então tudo o que é confessado e rezado se mantém em sigilo, somente aqueles três corações que saberão o que foi confessado e perdoado: o penitente, o confessor e Deus.

Que neste tempo quaresmal você tenha a graça de ouvir: “Deus, Pai de misericórdia, que, pela morte e ressurreição de seu Filho, reconciliou o mundo consigo e envio o Espiríto Santo para a remissão dos pecados, te conceda, pelo ministério da Igreja, o perdão e a paz. E eu te absolvo dos teus pecados, em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo”.

Desejo Senhor, rasgar o coração diante de vós
Que sua infinita misericórdia o restaure
Que eu seja testemunho da novidade eterna que é o seu amor
Que nenhum pecado me estacione na vida
Mas que meu “andar existencial” seja para glorificar seu Nome
nas pequeninas obras de amor que tenho oportunidade de realizar

Que brilhe vossa luz em mim
Que esta mesma luz possa se espalhar
E clarear caminhos, mentes, corações e gestos

Pe. Ederson  Iarochevski

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: