RITUAIS PARA DIAS ABENÇOADOS

 

Sinal da Cruz

De que maneira você começa seu dia? Como você o encerra? Você realiza algum tipo de rito para que seu dia seja mais sagrado?

Como é bom fazer algo que, mesmo repetido muitas vezes, resignifica o dia, a vida. Os rituais de fonte cristã fazem com que os momentos celebrados tenham impressa uma marca divina. Refazer um rito é refazer-se. O ritual, por mais simples que seja, dá significado de vida para a pessoa e a tudo aquilo que ela se propõe realizar.

A tradição cristã estabeleceu uma ligação entre os dias da semana e a salvação de Jesus Cristo. É dado um destaque especial para os três últimos dias e para o primeiro dia da semana. A quinta-feira é o dia da instituição da eucaristia, e na sexta-feira se faz a memória da morte de Jesus. O sábado é o dia do repouso no sepulcro, e o domingo é o dia da ressurreição. Mas, logicamente, os outros dias têm sua importância e sublinham momentos importantes da vida cristã: na segunda-feira a Igreja celebra a Santíssima Trindade; na terça-feira, os anjos, e na quarta-feira, São José, o padroeiro do trabalho. O sábado, vale lembrar, não é somente o dia do sepulcro, mas também faz memória de Maria. Assim, cada dia da semana tem sua característica, sua qualidade própria. Alguns ritos para que possas consagrar sua semana:

Ritual da manhã de todo cristão: o sinal da Cruz. É  deixar o amor de Deus penetrar todo o pensar. O sinal da cruz é como uma senha que liberamos para que Deus tenha acesso ao intimo de nosso ser.  É sentir-se totalmente tocado, acolhido, envolvido por Deus. É colocar nosso ser em direção a Deus. Pelo sinal da cruz somos integrados à vida sagrada, bem expressa na Igreja Siriana: “em nome do Pai, que me pensou e me formou; e do Filho, que desceu às profundezas do meu ser humano; e do Espírito Santo, que torna o esquerdo direito”. 

Segunda-feira: ACENDER UMA VELA

Comece o dia acendendo uma vela. Com calma, acenda vagarosamente e conscientemente. Contemple a luz que emana. Perceba como aos poucos a penumbra vai dando lugar à luz. O calor se espalha, a frieza enfraquece.  Ao acender a vela pode dizer: “Levanta-te! Deixa-te iluminar! Chegou tua luz! A glória do Senhor te ilumina” (Is 60,1).

 Terça-feira: ESCREVER UMA PALAVRA

Escrever uma palavra que deseja ganhar vida em você. Pronunciar e escrever a palavra que vem ao seu coração e que se torna fonte de inspiração para o seu dia. Lembrar que a palavra cria uma realidade. Deus criou o mundo com sua palavra. Assim, também, somos nós. As palavras querem ser faladas. Pode falar em alta voz “no principio era a Palavra, e a Palavra estava junto de Deus, e a Palavra era Deus. Tudo foi feito por meio dela, e sem ela nada foi feito de tudo o que existe” (Jo 1,1-4). 

Quarta-feira: CONTEMPLAR UMA FLOR

Este dia está ligado ao terceiro dia da criação divina. Dia em que Deus deixa a terra produzir. As espécies de plantas e árvores ganham vida. Ao contemplar uma flor você verá a beleza, e ao contemplar o que é belo você vê Deus. Quantas são as flores relacionadas na tradição cristã como símbolos que nos recordam a  presença de Deus? Com Maria muitas são as flores relacionadas: rosa, lírio, margarida, violeta. Na ladainha de Nossa Senhora ela é invocada como “rosa mística”. Diante da flor poderá cantar: “cultivo um jardim tão lindo, rosas perfumadas para te ofertar…”.

Quinta-feira: PARTIR O PÃO

Este rito recorda a instituição da eucaristia.  Então Jesus tomou o pão, partiu-o e deu aos seus discípulos dizendo: “isto é meu corpo entregue por vós. Fazei isto em memória de mim” (1Cor 11,24). Tomar o pão, abençoá-lo, partir e dar. Aquilo que tomo em minhas mãos é abençoado por Deus, e só assim o dar tem sentido. Só posso dar porque o tomei, e se dou é porque foi abençoado por Deus. Pão que se parte, se reparte.

Sexta-feira: NO CAMINHO DA VIA-SACRA

Somos caminhantes, peregrinos, estrangeiros que por aqui passam. Tal como Abraão, nos pomos a caminho.  Como diz o poeta Novalis: “para onde, afinal, estamos indo? Sempre para casa”. Lembra Jesus aos seus discípulos: “quem quer seu meu discípulo tome sua cruz e siga-me” (Mt 16,24). Proponha-se neste dia caminhar. A cada passo dado uma breve reflexão. Aprender a fazer silêncio e apenas caminhar. Sentir os passos, ouvir a respiração, escutar o mundo que está a volta e rezar a própria vida. 

Sábado: OUVIR UMA MÚSICA

O sábado nos convida à contemplação. Pede-nos tranquilidade, um repouso sereno. Para este dia uma peça musical adequada faz muito bem para a alma. Decida-se pela música que seu coração pede. O ato de ouvir, acompanhar, imaginar o que a canção sugere relaxa-nos e eleva-nos. “Escuta, e a tua alma viverá” (Is 55,3) uma boa música é um alívio para alma, como lembra São João Crisóstomo “a alma suporta mais facilmente as durezas e labutas quando canta uma melodia ou fica a escutá-la”. 

Domingo: A EXPERIÊNCIA DO SILÊNCIO

“No sétimo dia, Deus concluiu toda a obra que tinha feito, e no sétimo dia repousou, Deus abençoou o sétimo dia e o santificou” (Gn 1, 2,3). É difícil se encontrar com o silêncio porque não sabemos o que fazer com ele. O que precisamos apreender para que o silêncio tenha sentido? Deus viu que tudo era bom – é preciso ver a vida como boa, mesmo quando temos dificuldades, descobrir a bondade que ali surgiu. Deus abençoou o sétimo dia – o tempo de silêncio é abençoado. Sentir que a benção é proteção. E fazer da benção tempo de fecundidade espiritual, existencial. Deus santificou o sábado – santificar aquele dia, não deixar que as preocupações e ocupações tomem o tempo do dia sagrado. Domingo é o dia de buscar ouvir o silêncio, seja em casa, na igreja, ou num lugar que favoreça curtir o silêncio.

MEU SINAL DA CRUZ

Pelo sinal da santa cruz, Deus misericordioso, tens acesso a todo meu ser.

Ao tocar minha fronte, inunda o meu pensar com a força do teu amor.

Faz-me todo teu.

Ao descer e colocar a mão sobre meu ventre, inunda com teu amor a minha força, vitalidade, sexualidade.

Ensina-me a amar.

Com a mão sobre o ombro esquerdo, derrama Senhor teu amor sobre o meu inconsciente, nas imagens que lá estão guardadas, aclara, ó Deus, as trevas e cura as imagens maléficas.

Ensina-me a perdoar.

Com a mão sobre o ombro direito, derrama teu amor sobre meu consciente, sobre meu agir, minhas decisões.

Move-me, Senhor, para o bem.

Padre Ederson Iarochevski

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: