RECOMEÇAR DAS CINZAS

Alguma vez você já recebeu um pouco de cinzas na fronte ou sobre a cabeça? O que isso significa? Porque cinzas e não outro símbolo? As perguntas podem se multiplicar e as respostas, também. Então, nada melhor do que refletirmos sobre a importância das cinzas e seu significado na “porta de entrada” da quaresma.

O uso das cinzas na liturgia tem sua origem no Antigo Testamento. Sua simbologia está intimamente ligada à dor, morte e penitência. Por exemplo, no livro de Ester, Mardoqueu se veste de saco e se cobre de cinzas quando soube do decreto do Rei Assuero I, da Pérsia, que condenou à morte todos os judeus do império (Est 4,1). Jó (cuja história foi escrita entre os anos VII e V antes de Cristo) mostrou seu arrependimento vestindo-se de saco e cobrindo-se de cinzas (Jó 42,6). Daniel (cerca de 550 antes de Cristo), ao profetizar a captura de Jerusalém pela Babilônia, escreveu: “Volvi-me para o Senhor Deus a fim de dirigir-lhe uma oração de súplica, jejuando e me impondo o cilício e a cinza” (Dn 9,3). Estes exemplos retirados do Antigo Testamento demonstram a prática estabelecida de utilizar cinzas como símbolo de arrependimento e penitência

Jesus também fez referência ao uso das cinzas. A respeito daqueles povos que recusavam se arrepender de seus pecados, apesar de terem visto os milagres e escutado a Boa Nova, Jesus  proferiu: “Ai de ti, Corozaim! Ai de ti, Betsaida! Porque se tivessem sido feitos em Tiro e em Sidônia os milagres que foram feitos em vosso meio, há muito tempo elas se teriam arrependido sob o cilício e as cinzas (Mt 11,21). A Igreja, desde os primeiros tempos, continuou a prática do uso das cinzas com o mesmo simbolismo.

As cinzas recordam nossa humilde condição. Recordam que somos pó e ao pó retornamos: isso com o otimismo da ressurreição que nos lembra os verdadeiros valores, os que não passam. O espírito comunitário de oração, de sinceridade cristã e de conversão ao Senhor, que proclamam os textos bíblicos, se exprime no rito das cinzas colocadas em nossa fronte ou cabeça e que simbolizam nossa submissão humilde como resposta à Palavra de Deus.

Participar da liturgia da Quarta-feira de cinzas é dar-se conta de nossas fragilidades, nossos limites e pecados. Não há pessoa que amadureça se não voltar o olhar para suas precariedades. O limite não assumido, também não é redimido. Logicamente, não queremos virar cinzas, mas sim, renascer. Recomeçar a partir do zero, isto é, não pensar nosso projeto de vida a partir do que não deu certo, mas ter a consciência de que o tempo de recomeçar é “hoje”. Receber as cinzas é se receber. Se receber é recomeçar. Recomeçar é entrar na dinâmica misericordiosa de Deus.

Ederson Iarochevski

Anúncios

Tags: , , ,

Uma resposta to “RECOMEÇAR DAS CINZAS”

  1. Dival Pop Popeng Says:

    Excelente!!!!! Realmente as cinzas em nossa cabeça faz-nos entender bem o que somos. As palavras da reflexão do Ederson deixam bem claros como proceder daqui para diante nosso novo projeto de vida…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: