Archive for dezembro \28\UTC 2010

NOVO ANO PARA VIVER AINDA MELHOR

28 de dezembro de 2010

Festival das Luzes - Frankfurt

O que não falta na época da “virada de ano” são as famosas simpatias. Estão presentes em todos os lugares e encantam a um grande numero de pessoas. As cores das roupas, o que se deve ou não comer para dar sorte, os banhos de energização, amuletos, palavras que precisam ser proferidas para trazer um novo amor, e tantas formas de magias para garantir que a sorte estará do seu lado.

A chegada de um novo ano é a oportunidade para reavivar em nós tudo aquilo que pode garantir uma vida mais feliz, saudável. Para ser uma pessoa renovada no ano que chega não é preciso simpatias e magias, mas algumas atitudes que fazem a virada ser completa.

Ser mais simpático. Isso mesmo, ser agradável com as pessoas que se aproximam de você. Não levar tudo ao pé da letra. Saber equilibrar os momentos. Saber acolher as pessoas de forma que possam sentir-se bem ao seu lado. Não economizar sorrisos e boas conversas. Partilhar a vida de um jeito alegre. E, se algo não sair como queria neste final de ano e início de ano novo, lembrar que a vida e as pessoas são muito mais que um problema que chega. Ano novo é tempo de derramar sorrisos verdadeiros para as pessoas, para o mundo.

Crer que amar vale mais. É o amor que nos move para frente, na vida. Por vezes não acreditamos nesta verdade. O ano que chega deve reclamar de nós mais vontade de amar. Querer ser como uma ponte para que o amor o conduza para o lado do bem, da beleza, da bondade e da justiça. Não querer ser como um muro que impede o amor de fazer sua passagem e deixar suas marcas. Ano novo é tempo de se amar e de amar.

Deixar brilhar a luz da esperança. Esperança é olhar para frente e crer que o melhor sempre está por vir. Esperança é saber isso de forma antecipada: o que esperamos para viver bem e felizes ainda não aconteceu, não é motivo para desistir. Esperança é uma espera que não decepciona. O ano novo é tempo de manter viva a luz que ilumina o caminho que conduzirá à alegria de viver. Manter viva a luz da esperança é amar os próximos dias mesmo antes que eles cheguem. Ano novo é  tempo de esperar o melhor.

Fazer dos amigos o seu tesouro. Se tem pelo menos um amigo, sua vida já está no caminho certo. Amigo é aquele que nos ensina, mesmo sem dizer, que viver só vale a pena quando temos alguém com quem contar em todas as horas. Se quiser começar bem um novo ano, redescubra e valorize seus amigos. Se dê de presente a eles. Faça deles pessoas importantes para o seu coração. Não os deixe morrer de saudade. Vá ao seu encontro. Novo ano só tem sentido na certeza de que as velhas (e novas) amizades estão garantidas.

Deus, amigo eterno. Deus é aquele que se preocupa com a gente. Seu sonho é nos ver felizes, realizados. No seu projeto só tem espaço para a misericórdia e para o amor. Estar com Deus é estar certo de que será acolhido e amado todos os dias. Ano novo sem Deus é ano envelhecido. Se permite Deus na sua vida pode ter a certeza de que o novo ano será abençoado e lhe renderá grandes alegrias e realizações, porque Deus o ama sem cansar e está sempre pronto a lhe preparar a melhor festa, a dar-lhe a melhor roupa, a ensinar o melhor jeito de viver bem, pois Deus se preocupa apenas em amar você.

Éderson Iarochevski

NATAL SÓ PODE SER VIDA

19 de dezembro de 2010

Natal - Willian Congdon

Poderíamos dizer que o grande projeto de Deus foi fazer-se homem. Deus tomou a iniciativa de nos visitar e ser, também ele, “humano”. Foi no seio de uma menina-mulher que este projeto se concretizou: o Filho de Deus fez-se carne. Numa noite, em uma gruta nasceu Aquele no qual o Filho de Deus se fez, finalmente, homem.

Estamos vivendo um tempo de espera. Uma expectativa que não frustra, que não decepciona. O Natal é a festa que vamos celebrar e só tem sentido se for associado à vida. A vida é sagrada e remete para um mistério sacrossanto. Então, todo atentado contra a vida é uma agressão ao próprio Deus, ele, o autor de toda vida.

Um menino nasceu. Deus se revelando na fragilidade de uma criança. Criança que não nasceu para pôr medo, condenar. Seu choro é delicado, sinal de vida, não afugenta ninguém. O menino não veio com armas na mão, ou com ferramentas para ferir e dominar. Ele esta aí apenas para ficar junto. Para ser amigo, o maior amigo!

É hora de criar a festividade da festa. Se alguém está para chegar não nos preparamos para recebê-lo? Parafraseando o Pequeno Príncipe, poderíamos dizer “se tu vens no Natal desde agora estou feliz”. Inspirado o papa São Leão Magno no seu 1º sermão de Natal: “Alegremo-nos: não pode haver tristeza quando nasce a vida”. Eis um tempo não para fazer doutrinas, mas simplesmente para festejar a vida, para se alegrar com Deus que se fez homem e veio morar em nossa casa.

Deus se faz homem, e os homens tornam-se homens de Deus

No presépio que vemos, se afirma “a bondade e o amor de Deus, nosso Salvador, se manifestaram …” (Tt 3,4). É o amor divino que se abaixa até nós, se faz mundo, torna-se homem. Deus não escapa do mundo, mas adentra nele. Deus não o divide em profano ou sagrado, mas assume toda a realidade, toda a humanidade, no exato momento da encarnação de seu Filho. Corre-se o risco de pensar em Deus apenas como o Grande, sem limites, o todo poderoso. Ele se revela “pequeno”, mas seu amor continua infinito. E justamente por ser infinito seu amor, é que ele se aproximou de nós.

Deus assumiu a limitação para que não fiquemos presos a ela e, tendo em Deus nossa esperança, sejamos seres de possibilidades quase infinitas e não apenas de limitações. É sabido que o homem pode ser o lobo para outro homem, ou uma máquina destruidora para si mesmo, mas, Deus quis assumir nossa condição para revelar-nos o quanto podemos ser melhores. Sem deixar de ser Deus, Deus mesmo decide se fazer homem. Sem querer ser Deus descobrimos na festa do Natal que seremos felizes na medida em que formos homens de Deus.

Ficam para nós as palavras de Charles de Foucauld: “Mestre soberano de tudo, ao fazer-se homem, unindo-se a uma alma e a um corpo humano e aparecendo na terra como um homem, e como o último dos homens. Para mim, buscar sempre o último dos últimos lugares, para fazer-me tão pequeno quanto meu Mestre, para estar com ele, para segui-lo, passo a passo, com servo fiel, discípulo fiel (…) para viver com meu Deus que viveu assim toda sua vida e me dá um exemplo tão grande no nascimento”.

Natal é tempo de nos descobrirmos mais humanos naquele que assumiu nossa humanidade. O Natal é o tempo que nos desperta para que sejamos amantes da vida na vida daquele que nasce em nosso coração.

Éderson Iarochevski


O NATAL É UM PRESENTE

3 de dezembro de 2010

Maria nos oferece um presente: JESUS ( Deólla)

Ganhar presente é bom. Não há quem não goste. Pode até dar um jeito de disfarçar, dizer não ser merecedor, mas, no fim é uma maravilha ser lembrado. Presentes sempre revelam a idéia, o sentimento, o apreço que se tem por aquela pessoa presenteada.

Quando se pensa em Natal, especialmente hoje, é impossível não pensar em presentes. O estresse tem início bem antes. Há três meses do Natal as ofertas já invadem sua casa para você se apaixonar e sair às compras. Se não tem a quem dar presente, se presenteie: não fique sem adquirir um, não há festa sem presentes.

Muitos podem estar pensando no que irão ganhar, ou ainda, no que querem pedir, não se importando muito com a condição de quem vai dar o presente. Às vezes, o Natal é um tempo de exploração explícita das condições econômicas de famílias e amigos. Filhos que pedem presentes caríssimos e não se importam se os pais podem ou não, apenas exigem. Amigos que começam a cobrar o presente já em setembro (o que será que vou ganhar do meu amigo querido?) como se o presente fosse a única prova de verdadeiro amor, de verdadeira amizade.

É triste saber que pessoas colocam relações em risco pelo simples fato de não receberem o presente que desejavam. Quando o que é material está acima de tudo, a pessoa se esvazia. Ninguém sobrevive com os presentes que ganha. Presente é para simbolizar um sentimento. Mas não é o sentimento em si, o corpo a corpo. Neste Natal, quem sabe, é tempo de repensar os presentes que se oferecerão às pessoas que fazem parte da sua vida.

Presente que têm coração

Há uma máxima que diz: “o melhor presente é a presença…”; se é para pedir presentes, então peça presentes que possuem um coração batendo. Quero um presente sim, mas que tenha coração. Coração é sinal de vida. Metáfora do amor. O que traz em suas mãos não interessa tanto, mas o que cativa é o que guarda sobre mim em seu coração. É isso que poderia oferecer de presente.

O que pensa a respeito de tal pessoa?
O que ela significa em sua vida?
O que ela mudou em você?
Por que esta pessoa é seu motivo de amor?

Oferecer essas respostas como um belo presente.

Natal é vida. Deus se dignou dar-se de presente a alguém. Presente provido de um coração tão humano e tão divino. Coração que somente soube amar. Deus realmente quis se dar: Deus dá Deus mesmo. Para se dar é preciso alguém diferente que possa receber. E esse alguém foi criado, capaz de receber Deus. É o homem. E dentre os homens, o olhar divino repousou sobre Jesus de Nazaré. Nele Deus será para sempre “presente”. Aprender a presentear com Deus é um jeito certo de viver bem o Natal.

Neste tempo de Natal pense em um presente que tenha coração. Não se preocupe em percorrer muitas lojas para providenciar um presente para quem você ama. O que ele mais espera, no fundo do seu coração, é a sua presença e as verdades que você possui inscritas no seu coração.

Deus se deu de presente porque é amor. Deixe-se dar de presente porque você ama. Por mais que um filho queira um presente bom, bonito e caro, bem no fundo o que ele quer são os pais com ele. Por mais que os casais fiquem felizes com uma lembrancinha no dia de Natal, nada paga a presença amorosa de um com o outro revelando o amor que os mantém unido. Com amigos e namorados é a mesma cena: não se quer muitos presentes, se quer verdadeiras presenças. Uma presença de amor é o melhor presente que se pode oferecer neste Natal.

Não esqueça: dê o melhor presente para quem você ama – presente que tem um coração.

Éderson Iarochevski


%d blogueiros gostam disto: