Archive for junho \27\UTC 2010

BOM TEMPO, BOAS FÉRIAS

27 de junho de 2010

Antônio Poteiro - «Ciranda no Céu»

Como férias fala-se de um período de descanso da atividade diária, geralmente entendida como trabalho e aulas. Muitos pensam as férias como um tempo onde fazer nada é o que importa. A ociosidade e o sedentarismo tornam-se as principais atividades no passar dos dias. É o tempo de incorporar a preguiça e o sofá oferece seus serviços. Interessante perceber que com muita ansiedade se espera um período de descanso, mas, quando chega, alguns dias depois já existe a impaciência com aqueles intermináveis dias que parecem durar a eternidade. E assim, a grande maioria das pessoas em férias não aproveitam este “tempo de vida” para descobrir novas coisas, viver experiências diferentes, se permitir conhecer outros lugares e pessoas, valorizar aquilo que a falta de tempo não deixou dar o devido valor. Férias é tempo privilegiado de realizar aquilo que a rotina frenética dos compromissos não permitiu fazer. Nelas é permitido agendar tudo o que nos fará voltar renovados, transformados, diferentes no melhor que podemos ser.

Férias é um bom momento de renovar os ares. Purificar os olhares. Renovar o vocabulário. Reencontrar aqueles que a saudade não deixa esquecer. Visitar lugares que fortalecem o gosto pela vida, pelo mundo, pela humanidade.

Como sugestão, algumas possibilidades para viver bem as férias:

Ler um bom livro

Toda leitura leva a nos encontrarmos com um mundo diferente. Tocar outros solos, culturas, conviver com outras pessoas e suas histórias, pensar a realidade a partir de outros ângulos. Ler nos possibilita viajar sem sair de nossa própria casa. Estar na companhia de um bom autor nos faz crescer. Ler é um jeito de se comunicar, de ser afetado por uma história, personagem, imagem, enfim, por uma palavra.  Nas palavras de Mário Quintana, fica a certeza de que a leitura é “Dupla delícia/ O livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado”. Vale lembrar também a dica de Bill Gates: “Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever – inclusive a sua própria história”.

Assistir a um bom filme

Interessante que, ao assistirmos um bom filme, logo começamos a nos relacionar com o outro, a sociedade, o mundo. Somos transportados para dentro da história de pessoas e de nações, para situações de guerra e de paz. A cada imagem somos convidados a prestar atenção em nossa própria imagem. Um filme tem o poder de nos levar às lágrimas, nos tocar profundamente porque estamos diante de uma realidade que, através de uma memória afetiva, nos faz lembrar de nossos próprios momentos de drama, tristezas, amores, alegrias. Férias, tempo para um bom livro.

Ficamos revoltados diante de cenas que atacam os princípios e valores que acreditamos serem de real valor para nossa vida. Todo bom filme faz pensar nossa condição humana, convivência, nosso estar presente e atuante no mundo. Edgar Morin, em sua obra “A Cabeça bem feita” fala que “… o milagre de um grande filme é revelar a universalidade da condição humana ao mergulhar na singularidade de destinos individuais localizados no tempo e no espaço”. Férias é tempo de assistir um bom filme.

Visitar espaços, reencontrar pessoas

É maravilhoso poder voltar a lugares que nos viram crescer. Lugares que foram tocados por nós e, em nós deixaram tantas marcas. Lugares que resgatam nossa infância, as brincadeiras, as primeiras amizades. Contemplar lugares que nos receberam é um prazer de que não podemos nos privar. Às vezes fica-se anos sem visitar a antiga escola, a casa onde morou, a Igreja que lhe concedeu os primeiros sacramentos, a rua onde brincava e se era a criatividade pura expressa nas brincadeiras inventadas. Férias é o tempo de voltar a lugares que nos recolocam em cena. Visitar espaços e ser visitados por eles é poder chegar aos lugares que somos. Reencontrar pessoas que tanto significam em nossa vida e que, na pressa de uma vida acelerada, não temos oportunidade de ver no dia-a-dia.  É bom reencontrar aqueles que fizeram parte do início de nossa história: “as pessoas que trago em minha memória são importantes para meu crescimento humano. Não é possível crescer estando distante das raízes que temos. A proximidades com minhas raízes me proporciona reacender os rostos ainda que esquecidos,que  estão bordados em minha alma” (Padre Fábio de Mello). Quem sabe, é hora de reacender os rostos de velhos amigos de tantas jornadas, pais que ansiosos esperam nossa entrada pela porta da frente, alguém que nos espera para espantar a saudade que se acumula no peito, registrando o tamanho do amor que ali faz morada. Férias é tempo de reencontrar quem amamos.

São simples sugestões. Não lhe faltarão possibilidades para que as férias possam ser, verdadeiramente, um tempo de vida. De reaprender a viver. Para acalentar o coração e iluminar a mente no tempo de férias é só permitir-se ter boas companhias e querer estar em lugares bons. E isso, é certo, não vai lhe faltar. Faça das suas férias um tempo inesquecível.

Éderson Iarochevski

FAMÍLIA – SONHO DE DEUS

19 de junho de 2010

A família árvore da vida - Kadir Nelson

Vivemos numa realidade que desconsidera a vida familiar. O individualismo é a sombra que procura, com todas as forças, ocultar as relações que só podem ser construídas num lar. Creio que a maioria de nós traz em si as marcas saudáveis dos ambientes familiares onde vivemos: mas, o futuro não garante que os filhos do amanhã receberão a herança bela e repleta de vida que é o seio familiar.

Diante de uma realidade que desvaloriza e desfigura a família, é necessário perguntar: com que família que sonhamos?

Somos imediatamente levados à presença do ícone perfeito de família, José, Maria e Jesus. É Deus que reúne esta família. Nasce da vontade divina e do esforço humano. Família é fruto da graça e da vontade. É sonho de Deus e querer dos homens e mulheres de todos os tempos.

Mesmo respondendo ao chamado de Deus para realizarem na terra o sonho de ser família, as adversidades se fizeram presentes aos escolhidos de Nazaré. Quando Maria sentiu-se perturbada por tudo o que iria acontecer, o anjo, enviado do Senhor, garantiu-lhe a presença e graça do Pai do céu. Quando José quis fugir dos planos de Deus veio-lhe o anjo do Senhor e garantiu segurança diante do medo. Quando o Menino se perdeu, os pais não desistiram de procurá-lo até que o encontrassem e pudessem dele cuidar com amor e segurança, para que seu crescimento acontecesse em idade, graça e sabedoria diante de Deus e dos homens.

A realidade terrena apresenta muitos desafios para a vida de família, mas Deus tudo faz para que ela seja uma realidade verdadeira no mundo. Não faltará o auxílio divino para que se possa vencer os obstáculos.

Não existe Reino de Deus sem a experiência da família. Na família que nos acolhe ou formamos experimentamos, em parte, a família perfeita que nos espera na eternidade.

É válido que nos questionemos: deixamos nossa família ser moldada a partir do sonho de Deus que nos promete amor e comunhão, vida fraterna? Ou estamos descrentes da família enquanto espaço de vida?

Enquanto nós pensamos, na maioria das vezes, a família como um “agrupamento de pessoas”, Deus, fonte de amor e de vida, nela pensa como um espaço reflexo de seu amor. Amor que não nasce do acaso, mas das relações que se dão de forma perfeita na família original: a Trindade una e santa. Nosso Deus não é um Deus solitário. É um Deus que se relaciona, que se comunica.

É próprio do amor sonhar o amor. É próprio do amor se comunicar, se relacionar. Então é evidente que Deus não nos quer sozinhos, isolados querendo, cada um, construir sua vida. Ele sonha que cada pessoa possa fazer a experiência de amar e ser amado. De ser importante para alguém. E o espaço privilegiado para que essa realidade tome forma é a família.

Sempre é tempo de pensarmos a família como sonho querido por Deus. Somente assim as relações serão tecidas com fios verdadeiros. Os pilares que a sustentam são aqueles valores insubstituíveis do respeito, confiança, fidelidade, o amor pleno revelado no perdão.

A família, sonho de Deus e ardente desejo humano, terá um olhar que se volta para a mesma direção: a felicidade e a realização dos seus. A cumplicidade a fará se comprometer em amor e verdade com aqueles que dela fazem parte, formando um lar.

Sabemos que as relações de amor são trabalhosas. As diferenças incomodam e o convívio diário é desafiador. A garantia de que Deus abençoa todo lar é a certeza que vale a pena tornar real o mais belo sonho de Deus: ser família.

DE ALGUÉM QUE AMA…

12 de junho de 2010

Dia dos namorados - Deólla

Como é bom, a cada manhã
Lembrar quem de mim se lembra
Com amor simples, puro e verdadeiro:
– amor que vale a pena viver.

Amor que brota do centro da vida
Que existe porque se revela
E a tudo supera, aceitando diferenças:
– existe alguém mais importante de quem cuidar.

O que você fala, eu entendo
Eu entendo quando você fala
Que não há amor algum mais belo:
– sua história, minha história.

Nenhuma imagem me deu tanta certeza.
Do amor que dentro de mim se forma
Do que descobrir seu imenso poder:
– olhei você, e resplandeceu seu sorriso.

O tempo, é certo, me faz esperar
Somente na conquista tem valor o amor.
A vida oferece numerosas presenças:
– a mais bela, ganhar seu coração.


%d blogueiros gostam disto: